A pesquisa sugere que o tratamento contábil mais apropriado sob as estruturas acima é contabilizar as criptomoedas como ativos intangíveis com circunstâncias potenciais para estoque ou contabilidade de investimento por uma empresa de investimento. Essas normas contábeis foram escritas antes do nascimento do blockchain e de criptoativos e, portanto, embora possa ser tecnicamente possível encaixar criptomoedas nos padrões contábeis existentes, elas não foram escritas para contabilizar tal ativo.

Uma consideração cuidadosa deve ser dada aos fatos e circunstâncias de cada criptomoeda, após consulta aos assessores contábeis que entendem os meandros associados. É encorajada a orientação contábil do FASB e do IASB para essa nova classe dinâmica de ativos, abordando especificamente os requisitos de reconhecimento, mensuração, apresentação e divulgação.

 

Voltar à introdução

Página Anterior

Quer saber mais?